© 2020 Erika Beux. 

Galápagos – O paraíso de Darwin sem gastar muito.

March 27, 2019

 

 

Texto: Erika Beux e Rodrigo Cruz

Fotos: Erika Beux

 

Como conhecer lobos-marinhos, iguanas-marinhas, pinguins, fragatas, atobás-de-patas-azuis, tartarugas-gigantes, tubarões-martelos, raias mantas, cardumes de móbulas, chitas e mais 5000 espécies de animais e vegetais num único lugar? É muito simples responder a esta pergunta: vá para Galápagos!

 

O destino está localizado a 600 milhas da costa ocidental do Equador (cerca de 1000 km), o Arquipélago de Galápagos já foi refúgio de piratas e navegantes que exploravam os oceanos, mas hoje recebe mais de 240 mil turistas por ano interessados em conhecer o lugar com a maior biodiversidade do planeta.

 

Segundo as estatísticas de 2017 do Parque Nacional de Galápagos, o Brasil está em 15º lugar em número de visitantes com menos de 1% do total de turistas.

 

Esse baixo índice pode estar relacionado ao conceito que muitos mergulhadores brasileiros têm de que só vale a pena ir para Galápagos se for para conhecer Wolf e Darwin, as ilhas mais remotas do Equador. Talvez este pensamento esteja associado por causa dos pacotes oferecidos pelas escolas de mergulho, os quais são direcionados para estes roteiros. Porém, o custo da viagem acaba distanciando demais o sonho dos apaixonados em conhecer de perto o paraíso que também encantou o capitão Jacques Cousteau nas suas expedições pelo mundo subaquático.

 

Chegar em Galápagos é relativamente simples (veja abaixo) e existem duas formas de conhecer as ilhas: por terra, ficando hospedado em hotel, pousada e hostel ou em liveaboard.

 

Mas qual a melhor opção? A escolha deve levar em consideração os seus principais objetivos de passeios e a disponibilidade do seu orçamento.

 

Há quem diga que o melhor é conhecer as ilhas em liveaboard, pois somente com cruzeiro é possível chegar nas ilhas de Wolf e Darwin após 15-20 horas de navegação. Esses locais abrigam a maior biomassa de tubarões do planeta e podem ser vistos cardumes enormes de tubarões-martelos, além de tubarões-tigres, tubarões-de-galápagos e tubarão-baleia.

 

A média de preço para 7 noites embarcadas com mergulhos inclusos fica entre $4000 a $6000 dependendo da embarcação, conforto e roteiro. Porém, ainda é preciso acrescentar os custos adicionais de nitrox, gorjetas, taxas do parque, hospedagem em terra que podem ser necessárias antes do embarque e/ou depois do desembarque, entre outros.

 

Há quem prefira ficar nas ilhas para fazer passeios terrestres e mergulhos com saídas diárias para pontos que as navegações levam entre 30-45 minutos. O custo da viagem irá variar dependendo da hospedagem, da quantidade de passeios, mergulhos e da negociação dos valores com o seu guia ou agente de viagens.

 

Neste tipo de programa, que carinhosamente apelidamos de “Galápagos de Pobre”, é possível gastar em torno de $1700 para 7 noites com 6 dias de mergulhos diários com almoço e transfer. Para este tipo de viagem, deve-se considerar ainda no orçamento as taxas do parque, alimentação, passeios, gorjetas, entre outros.

 

A quantidade de tubarões-martelos que você verá no mergulho diário é diretamente proporcional ao valor pago na trip. Enquanto num liveaboard podem ser vistos cardumes de 200 a 500 tubarões, no mergulho diário os cardumes de martelos têm entre 20 a 100 indivíduos, o que já é bastante para quem nunca mergulhou com estes animais.

 

Estudos estimam que o valor turístico que um tubarão vivo gera em Galápagos é de $ 350.000 por ano, mais de $ 5 milhões ao longo de sua vida, enquanto um tubarão pescado gera apenas $ 158 de renda.

Achou interessante? Então vamos conhecer mais sobre Galápagos a seguir:

 

SOBRE O GALÁPAGOS:

 

O arquipélago formado por 13 ilhas principais inspirou o pesquisador Charles Darwin a desenvolver a teoria da Seleção Natural em meados do século XIX, após observar a evolução das espécies de animais que não existiam no continente e que eram diferentes em cada ilha visitada.

 

A cada ano, aumenta o número de turistas atraídos em conhecer o maior laboratório vivo de biologia do mundo, em busca de experiências de mergulhos e trekking por trilhas na mata, praias e vulcões.

 

Vulcões? Sim, segundo o Instituto de Geofísica Equatoriano, o arquipélago é considerado uma das zonas vulcânicas mais ativas do mundo. Em 2018, dois vulcões entraram em erupção: o vulcão La Cumbre, na Ilha Fernandina e o vulcão Sierra Negra, na Ilha Isabela, mas as lavas não afetaram os habitantes e animais locais.

 

A convergência de diversas correntes oceânicas em Galápagos garante todos os nutrientes necessários para a vida marinha local e ditam o clima das ilhas que, em conjunto com o relevo montanhoso dos vulcões, influenciam diretamente na umidade e, consequentemente, na vegetação encontrada.

 

Galápagos é tão incrível que é possível ver numa mesma cena as paisagens áridas serem brutalmente interrompida por oásis de praias com areias brancas, manguezais e água azul cristalina. A natureza é tão perfeita que integra com harmonia quase todos os ecossistemas aquáticos e terrestres num território de 8 mil km².

 

Das treze ilhas principais, apenas quatro são habitadas:

Santa Cruz: a mais populosa com cerca de 20 mil habitantes. A sua principal cidade é Puerto Ayora, onde ficam localizados os restaurantes, a rede hoteleira, o comércio, o Centro de Pesquisas da Estação Charles Darwin e o Centro de Criação de Tartarugas Gigantes. Na vila de Santa Rosa moram 400 habitantes que são responsáveis por quase toda a agricultura que abastece a ilha com produção de café, leite, carne, frutas cítricas, mandioca e banana.

 

San Cristóbal é a capital administrativa de Galápagos e possui em torno de 7 mil habitantes. Nela estão localizados um dos aeroportos e a Universidade que atende o arquipélago, a qual recebe estudantes estrangeiros todos os anos.

Isabela: é a maior ilha e possui apenas 300 habitantes. A maioria vive dos serviços do turismo local e vale a pena ficar de 2 a 3 noites hospedado para fazer os passeios nos túneis de lava, conhecer o centro de criação de tartarugas gigantes, fazer um trekking nas trilhas de mata e nos vulcões, além de desfrutar dos pontos de mergulho que saem somente desta ilha.

 

Floreana: é a sexta maior ilha do arquipélago e foi a primeira a ser habitada em 1832. Hoje, com cerca de 3000 habitantes, o governo ainda tenta restaurar o meio ambiente modificado pelos humanos, animais e plantas invasoras trazidas pelas embarcações naquela época.

Um dos principais pontos de mergulho é chamado de Devil’s Crown, onde é possível encontrar tubarões de diversas espécies, tartarugas, moluscos e cardumes de peixes variados.

 

COMO CHEGAR:

 

O arquipélago possui 2 aeroportos: Aeroporto de San Cristóbal (SCY) e o Aeroporto de Baltra (GPS), os quais recebem voos diários de Quito e Guayaquil. Saindo de São Paulo para o Equador, os voos podem fazer conexão em outros países como Colômbia, Panamá ou Peru e as passagens custam a partir de $600 dólares.

 

Tanto em Quito e Guayaquil, o passageiro pagará uma taxa de controle de trânsito de $20 dólares e em San Cristóbal ou Baltra, pagará a taxa do Parque Nacional no valor de $50 dólares para brasileiros e $100 dólares para estrangeiros.

 

Para chegar em Puerto Ayora, o desembarque tem que ser em Baltra, pegar um ônibus ($5 por passageiro – 20 minutos de estrada), pegar uma balsa para o Canal de Itabaca em Santa Cruz ($1 por pessoa – 15 minutos de travessia) e depois pegar um táxi do canal para o centro de Puerto Ayora ($25 por carro de até 4 pessoas – 45 minutos de estrada asfaltada).

 

OS MERGULHOS:

 

Existem 8 operadoras de mergulho em Santa Cruz e dezenas de agentes de turismo que revendem as vagas das embarcações. Cada barco tem o dia certo para operar num determinado ponto de mergulho, por tanto, se você quiser repetir um ponto de mergulho na semana, terá que trocar de operadora. Desde que negociados com antecedência, os grupos fechados podem repetir um ponto de mergulho, mas a operadora precisa da autorização do parque para tal.

 

Os mergulhos custam entre 170 a 240 dólares cada saída com 2 cilindros, lastro, lanche e almoço. Fique atento se neste valor também está incluso o transfer de ida e volta do seu hotel ao Canal de Itabaca, pois algumas operadoras cobram 40 dólares a mais pelo traslado.

 

A operadora que contratamos foi a Eagleray Tours, do instrutor Álvaro Sevilla que, junto com o instrutor Israel Soberón, o capitão Juan e o cozinheiro Darwin, tornaram nossa semana simplesmente fantástica. O Álvaro tem tanta experiência nos mergulhos de Galápagos que entende do comportamento dos animais e sabe exatamente onde encontrar cada espécie, proporcionando o encontro com os cardumes de tubarões-martelos, peixe-lua, lobos-marinhos, raias mantas e outros. Eu mergulho há 8 anos e essa foi a melhor operação que já tive, o melhor briefing que ouvi, sem falar na descontração na hora de se equipar e nos intervalos de superfície ao som da excelente playlist de Israel. Definitivamente, recomendo a Eagleray sem ressalvas.

 

 

SOBRE OS PONTOS DE MERGULHO:

 

North Seymour & Daphne Minor –  localizados na parte norte da Ilha de Santa Cruz a 30 minutos do Canal de Itabaca, os mergulhadores de todos os níveis podem fazer estes mergulhos, apesar de, eventualmente, terem fortes correntezas. Podem ser vistos os jardins de enguias, raias chitas, cinco espécies de tubarões, tartarugas-marinhas, raia manta, móbulas e diversos cardumes de peixes tropicais.

 

Mosquera – é uma ilha formada de rocha e areia localizada entre Seymour e a Ilha de Baltra. Podem ser vistos inúmeros lobos marinhos, tubarões, barracudas, raias chitas, mantas, móbulas, tartarugas e densos cardumes de peixes.

 

Bartolome & Cousin Rocks – situados na parte nordeste da Ilha de Santiago a 90 minutos do Canal de Itabaca, são locais de mergulhos fáceis, sem fortes correntezas, com muitos recifes de corais endêmicos, cavalos-marinhos, pequenos peixes coloridos e uma grande variedade de moluscos e outros invertebrados. Podem ser vistas também estações de limpeza de tartarugas e raias mantas, mas também são corredores de passagem de sete espécies de tubarões, lobos marinhos e golfinhos.

 

Gordon Rock – é considerado o melhor ponto de mergulho das ilhas centrais e está situado na costa leste da Ilha de Santa Cruz a 50 minutos do Canal de Itabaca. Este ponto é para mergulhadores avançados com pelo menos 20 mergulhos registrados, pois o local costuma ter fortes correntes desafiadoras do tipo “washing machine” e as pessoas costumam surtar no mergulho. Mas são essas mesmas correntes que trazem o plâncton para a superfície atraindo animais pelágicos de todos os cantos das ilhas. O que ver neste ponto? TODAS as espécies de animais passam por ali: tubarões (inclusive tubarão baleia), móbulas, tartarugas, raias chitas, mantas, cardumes gigantes de várias espécies de peixes, peixe lua e até, orcas!  Nosso grupo fez dois dias de mergulhos neste ponto porque vale muito à pena! Se não houver muito tempo na sua programação e precisar escolher um único ponto para mergulhar, definitivamente escolha Gordon Rock.

 

 

OS PASSEIOS:

 

O melhor de ficar hospedado em terra em Galápagos é que tem muitas opções de passeios para fazer além de ficar submerso. A maioria pode ser feita na volta do mergulho e com baixo custo, preenchendo facilmente o dia com experiências incríveis. Seguem algumas indicações:

 

ILHA BALTRA – onde fica localizado um dos aeroportos de Galápagos e serve de ponto de abastecimento das embarcações, próximo à base da marinha. É possível desembarcar e desfrutar de uma bela praia quase desértica, habitada apenas por aves, lobos-marinhos e iguanas-terrestres, as quais são maiores que as iguanas-marinhas. O visual paradisíaco rende fotos fantásticas de lembrança.

 

TORTUGA BAY – apenas 45 minutos de caminhada de Puerto Ayora. A praia de areias brancas e água azul-turquesa pode ser acessada por uma trilha de pedras muito charmosa cercada por uma floresta de cactos gigantes.

 

 

É possível encontrar tartarugas marinhas, iguanas, fragatas, pelicanos, fazer snorkeling, caiaque, surf e se estiver cansado para voltar os quase 3km a pé, o táxi-aquático o levará para Puerto Ayora por 10 dólares por pessoa e tem saídas de hora em hora. Próximo ao píer de embarque/desembarque de passageiros, a lancha não pode atracar e o visitante é obrigado a trocar de barco e pagar mais $0,80 a $1,00 pelo pequeno trajeto. É um local encantador e vale à pena conhecer.

 

HIGHLANDS – no centro da Ilha de Santa Cruz estão as Highlands (Terras Altas) que oferecem um contraste exuberante entre as praias e as terras áridas da ilha. Este passeio pode ser feito logo após o retorno do mergulho, pois fica entre o Canal de Itabaca e Puerto Ayora. Os próprios motoristas e guias do traslado podem levar o grupo facilmente.

 

A primeira parada é em Los Gemêlos, que são duas crateras gigantes cobertas por vegetação e no Bosque de Escalesias, com mais de 15 espécies de Scalesias, uma planta endêmica de Galápagos.  

 

A segunda parada é no Rancho El Chato, um passeio muito interessante, pois é possível observar as tartarugas gigantes com mais de 100 anos de idade no seu habitat natural, inclusive na beira da estrada.

 

Nesta reserva, o visitante andará nos corredores de três túneis de lava vulcânica e experimentará o maravilhoso café produzido na própria ilha de Santa Cruz. O custo do passeio é de $ 50 dólares por carro de até 4 pessoas + $ 5 de ingresso por pessoa na entrada do rancho. Dica: use as botas de borracha que são emprestadas para andar nas trilhas por causa da lama.

 

ESTAÇÃO CIENTÍFICA CHARLES DARWIN – um complexo de instalações com escritórios e laboratórios de pesquisas, sala de conferência, loja de souvenir e coleção de história natural abertos ao público. O local serve para municiar o Governo do Equador com informações para ações de sustentabilidade e conservação do arquipélago. Distante 20 minutos de caminhada de Puerto Ayora, a estrada também leva ao Centro de Criação de Tartarugas Gigantes e a Playa de la Estacion, onde é possível observar um amontoado de iguanas marinhas se aquecendo sobre as gramíneas e, com sorte, é possível vê-las se alimentando no mar.

 

Como lembrança, o visitante poderá levar um registro fotográfico com a estátua de Charles Darwin em tamanho natural e carimbar o passaporte com o símbolo da Estação. Custo do passeio: grátis, mas leve dinheiro (ou cartão) para comprar roupas e lembrancinhas na loja da Fundação. As peças são bonitas, de alta qualidade e você ainda ajudará na verba das pesquisas da ilha.

 

 

CENTRO DE CRIAÇÃO DE TARTARUGAS TERRESTRES FAUSTO LLERENA – as tartarugas gigantes de Galápagos estão ameaçadas de extinção e por causa do isolamento geográfico, cada ilha possui uma espécie distinta da outra. Para tentar salvar as cascudas, os pesquisadores montaram um centro de criação e reprodução aberto aos visitantes, os quais podem conhecer os berçários de espécies de várias ilhas e, se tiverem sorte, poderão ver os adultos copulando.

 

Neste centro também fica localizado o corpo taxidermizado do Solitário George, a mais velha tartaruga gigante da ilha e único exemplar da sua espécie, que acabou sendo extinta por não ter deixado descendentes. Custo do passeio: grátis.

 

AVENIDA CHARLES DARWIN – a charmosa avenida da orla de Puerto Ayora onde ficam localizados diversos restaurantes, hotéis, bares e as mais variadas lojas de comércio da Ilha. No caminho, você pode se deparar com preguiçosos lobos-marinhos deitados nas calçadas ou bancos de praça, pelicanos e garças no mercado do peixe esperando um agrado dos pescadores e tudo isso rendem ótimas fotos.

 

Outras dicas de passeios em Santa Cruz: Laguna las Ninfas, Las Gretas e German Beach.

 

 “Day tours” saindo de Santa Cruz para as ilhas: Bartolome, Isabela, North Seymour, Santa Fé e South Plaza – custam em média de $160 a $240 dólares por pessoa.

 

Nosso grupo optou por fazer o day tour guiado em Isabela, porém, só recomendo se não houver tempo para ficar hospedado pelo menos uma noite na ilha, pois é muito cansativo fazer o “bate-volta”. Navegamos por 2 horas num táxi aquático com o mar batido na ida e na volta. Conhecemos o centro de criação de tartarugas de Isabela, a lagoa de Flamingos, a Ilha das Tintoreras para ver os pinguins, atobás-de-patas-azuis, fragatas, iguanas-marinhas, lobos-marinhos e, os corajosos, fizeram snorkeling na água gelada para ver os tubarões-galha-branca, tartarugas-marinhas, raias e muitos peixes. O passeio leva 12h e custa $ 160 dólares por pessoa com almoço + $10 dólares de taxa de entrada em Isabela.

 

 

QUANDO IR:

 

Janeiro-Junho: Verão – período chuvoso, porém com temperaturas em torno de 23° a 30°C e a água pode chegar a 27°C.

 

Julho-Dezembro: Inverno – período mais seco e com temperaturas mais baixas variando de 15° a 24° graus (sim, pegamos 15° graus no Equador) e a temperatura da água varia de 18° a 23°C. Período que tem a influência da corrente de Humboldt e a maior biodiversidade marinha. Melhor mês para ir é Agosto.

 

DICAS:

  • Obrigatória a apresentação da vacina da febre amarela no embarque.

  • Não é permitido levar alimentos perecíveis, plantas e animais de uma ilha a outra.

  • Todas as malas passam por revistas de cães farejadores no aeroporto.

  • Fique atento às regras de franquia de bagagem do seu bilhete aéreo, pois tem companhia que não permite mais de 1 volume despachado de 20kg. A maioria das operadoras de mergulho tem o aluguel de equipamento embutido no preço da saída, mas confirme todas essas informações antes de fazer sua mala!

  • Respeite as regras locais quanto à distância mínima para aproximar-se dos animais e a não utilização de flash.

  • Não alimente nenhum animal da ilha.

  • Tenha sempre um protetor solar, água e um casaco em todos os passeios ou caminhadas. No segundo semestre do ano, a temperatura do ar costuma ficar mais fria com o vento ou com tempo nublado e ao anoitecer.

  • Leve dólar em espécie. Muitos locais não aceitam cartão de crédito e os que aceitam cobram em torno de 12% a mais.

  • Uma garrafa de água de 500ml custa em média 3 dólares em bares/restaurantes e os jantares gastávamos em torno de 20 dólares por pessoa, mas existem locais tipo “botecos” e lanchonetes que servem petiscos mais baratos que os restaurantes.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload