Descubra a África - Ruanda e Uganda

September 30, 2017

           Nas minhas férias de Setembro de 2017 visitei dois países da África, Uganda e Ruanda, que apesar de uma história triste que marcou os países (ver abaixo), o que se vê numa parte de Kigali, capital de Ruanda, são prédios bonitos, alguns espelhados, centros comerciais, muito próximo do que costumamos ver diversas cidades no Brasil.

 

            Por outro lado, na periferia de Kigali e nas cidades que passamos até chegar em Uganda, o que se vê são casas humildes de barro e telhados de palha, outras melhores eram de material, mas igualmente simples. Estradas pedagiadas muito boas, rodeadas de paisagens "exuberantes". 

Sobre Uganda:

         

         De solo fértil e chuvas regulares, a economia ugandesa é fortemente dependente da agricultura. As suas maiores exportações são café, chá, algodão e tabaco.

 

            Uganda, o menor dos três países do Leste Africano, tem 41 milhões de habitantes, mas ainda fascina e encanta turistas do continente. Não é por acaso que Uganda é muitas vezes chamado de "a pérola da África". País dotado de exuberante vegetação, florestas, lagos e montanhas é o local perfeito para descontrair e relaxar.

 

            E não é por acaso que atrai viajantes, documentaristas do mundo inteiro, e foi eleito o melhor destino por renomados guias de viagem. A nação é conhecida pelo safári de aventura e uma das principais atrações é o rastreamento de gorilas e chimpanzés. Uganda tem orgulho de preservar mais de 50% da população de gorila da montanha que resta no planeta, além de ajudar na proliferação e reconhecer esse patrimônio para futuras gerações.

 

             Está entre os poucos países africanos que estão fazendo investimentos estratégicos em biociências, nomeadamente no diagnóstico de doenças, no desenvolvimento de vacinas, no aumento da produtividade das colheitas e na produção agrícola de valor acrescentado. Isto representa uma oportunidade para se passar da agricultura de subsistência para o agronegócio e a agricultura comercial. 

 Sobre Ruanda:

 

          Em 1994, Ruanda passou por um dos maiores massacres da humanidade. Mais de 800 mil pessoas foram mortas em 100 dias no genocídio entre as comunidades Tutsi e Hutus.

 

Quem são os hutus e os tutsis?

 

        Hutus e tutsis são dois povos que compartilham um passado comum. Quando Ruanda foi colonizada, as pessoas que viviam ali criavam gado. Os que possuíam o maior número de gado foram chamados de “Tutsi” e o “resto” foi chamado de “Hutu”. Neste momento, uma pessoa poderia facilmente mudar sua “categoria” através do casamento ou da aquisição de gado. Os alemães foram os primeiros a colonizar Ruanda em 1894. Depois vieram os belgas. Os colonizadores olharam para o povo ruandês e observaram que os tutsis tinham características mais europeias, como a pele mais clara. Assim, eles colocaram tutsis em funções de responsabilidade. Logo, a diferença se tornou racial.

          Embora os tutsis fossem apenas cerca de 10% da população de Ruanda e os hutus quase 90%, os belgas deram aos tutsis todas as posições de liderança. Isto perturbou os hutus. Quando Ruanda lutou pela independência da Bélgica, os belgas trocaram o status dos dois grupos. Diante de uma revolução instigada pelos hutus, os belgas lhe concederam o comando do novo governo. Isto perturbou os tutsis. A animosidade entre os dois grupos continuou durante décadas.

 

O que provocou o genocídio?

 

          Às 20h30 do dia 06 de abril de 1994, o presidente de Ruanda, Juvenal Habyarimana, estava retornando de uma cimeira na Tanzânia quando um míssil atingiu o avião em que estava. Todos a bordo morreram no acidente.

       Os Hutus, que eram a maioria no país, mataram os Tutsis, independente do seu grau de parentesco. Mais de 800 mil pessoas foram mortas em 100 dias. Milhares de Tutsis conseguiram se refugiar nos países vizinhos: Uganda, Rep. Democrática do Congo (na época chamava-se Zaire), Tanzânia e Burundi.

        O genocídio em Ruanda só termina quando a FPR, um grupo militar formado por tutsis que tinham sido exilados nos anos anteriores, toma conta do país.  A ação teve apoio do governo de Uganda.

 

O que fizemos no pacote:

 

- Conhecemos o Museu no Genocídio

Acesse: http://www.kgm.rw/

 

- City tour por Kigali

 

- Pernoitamos em Uganda no hotel Gorilla Mist Camp

Acesse:  http://gorillamistcamp.com/

 

- Gorilla tracking em Bwindi Impenetrable National Park - Uganda - Região de Buhoma - Família de Gorilas Bitukura.

Acesse: http://www.bwindiforestnationalpark.com/

 

Quem leva: 

http://www.ugandasafaripackage.com/  

http://www.gorwandasafaris.com e 

https://www.gorillatrekafrica.com/

 

-  Pernoite no hotel Bunyonyi Overland Resort

Acesse: http://www.bunyonyioverland.com/

 

- Passeios de barco no Lake Bunyonyi 

Acesse: http://www.lakebunyonyiuganda.com/ 

 

Assista o vídeo de onde passamos: https://www.youtube.com/watch?v=0msXSwBo7jU&t=1s

Vídeo by Daniel Farias - @dfodaniel

Quanto custou:

 

- USD 1055 por pessoa - grupo de 4 pessoas, 3 dias, 2 noites, transfer ida e volta (Kigali-Bwindi), city tour, permit do parque de Bwindi, passeio de barco, café-da-manhã, 2 almoços e 2 jantares, guia exclusivo.

 

Fotos by Erika Beux

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2020 Erika Beux.